Quer meu livro de graça? Assine minha newsletter e venha conversar comigo!

Além disso, a newsletter é para ser algo mais pessoal, nela vocês podem responder e conversar diretamente comigo. E eu ainda pretendo enviar uma série de textos exclusivos por lá, sendo alguns mais pessoais, alguns capítulos antecipados de livros que serão lançados, assim como alguns e-books gratuitos.

Leia Mais

3

Cadernos do homem comum - Isaac

em 14 de nov de 2008.

O dia estava quente. O termômetro da rua marcava 37º graus. As pedras portuguesas concordavam, especialmente as pretas, queimavam-lhe as pernas. Ele levantou, suando. Estava no centro da cidade, cercado por prédios e poluição; tossia.

Desde cedo queria ir à praia, mas não tinha dinheiro. As pessoas pareciam mais mal-humoradas nos dias quentes, quase não davam esmolas. Os ônibus não lhe deixavam entrar. Ele até já suspeitava que eles não eram guiados por motoristas, mas por máquinas. Um ser humano não se importaria em fazer um pouco de caridade. É que eles têm medo de serem demitidos, um amigo seu dizia.

Ele andou novamente até o ponto, irritado. Era a sua última cartada. Depois de tentar, em vão, pedir para viajar de graça educadamente por mais de cinco vezes, decidira fazer o que os seus amigos diziam; forçaria a sua entrada.

Não demorou muito e um ônibus parou no ponto. Ele se apressou a entrar pela porta de trás. Tinha conseguido. Poderia finalmente se juntar a seus amigos na praia, poderia desfrutar um pouco daquele maldito dia ensolarado.

O ônibus, porém, não andava; as portas abertas. Um grito veio do banco do motorista: “ei, você, desce... agora”. Dois olhos lhe encaravam pelo espelho retrovisor. Ele baixou a cabeça, fingiu não escutar. O grito se repetiu, por três vezes. As pessoas à volta olhavam assustadas, algumas com medo, outras com superioridade. Isaac corou; sentia raiva e vergonha. Levantou-se vagarosamente e deu passos tímidos até a porta. Quando estava prestes a sair, sentiu o sol em seu rosto. Como era quente! O sangue ferveu. Uma súbita revolta, até então desconhecida, aflorou. Ele saiu do ônibus correndo, pegou uma pedra portuguesa que estava solta na calçada e atirou contra o retrovisor, que se partiu em pedaços. Depois virou de costas e foi embora, sob exclamações furiosas e olhares de reprovação.

3 Comentários:

Bernardo

Bem Legal! Isaac! Mas Isaac é um mendigo? Quem é Isaac? Eu confesso que fiquei curioso. Mas é isso. abraço.

Leo Schabbach

Sim é um mendigo sim, um menino de rua. Mas é só o começo do projeto. Em breve aparecerão coisas novas.

Luiz

Mais comum do que isso? Quase impossível. Texto justificando bem o título da série.
Parabéns, Léo !

Postar um comentário

Participe você também. Sinta-se convidado a postar as suas opiniões. Com a sua ajuda, o blog se tornará ainda melhor!

 
Copyright© 2010 Na Ponta dos Lápis
Apoio: Literatura Fantástica
Tema original "Solitude" Modificado por Mundo Blogger