Quer meu livro de graça? Assine minha newsletter e venha conversar comigo!

Além disso, a newsletter é para ser algo mais pessoal, nela vocês podem responder e conversar diretamente comigo. E eu ainda pretendo enviar uma série de textos exclusivos por lá, sendo alguns mais pessoais, alguns capítulos antecipados de livros que serão lançados, assim como alguns e-books gratuitos.

Leia Mais

4

Roberto

em 23 de jul de 2009.

Observação: este texto faz parte de uma série. Sua melhor compreensão envolve a leitura dos outros mini-contos. Caso se interesse vá no menu à direita e clique em "Cadernos do Homem Comum" na listagem de projetos.


O sol batia em seu rosto, entrava pela janela do ônibus. Era um dia quente, típico de verão. Ele queria ir à praia, mas não podia; tinha de cumprir suas obrigações. Era dia de ir para a faculdade.

Pela janela, notou uma aglomeração de pessoas na rua; um ônibus derrapara e batera violentamente em um muro. Ele fitava o acidente com olhos indiferentes, preferia prestar atenção à musica que inundava os seus ouvidos. Aumentou o volume, o tempo passou mais depressa. Ele nada tinha a ver com o que acontecera.

Na faculdade, não podia ouvir música, mas ainda assim não se interessava muito pelas palavras do professor; preferia olhar pela janela. Trocar algumas mensagens por celular também não era ruim: podia marcar algo para fazer no final de semana.

Voltou para casa de metrô, seu mp3 deixava todo o mundo mais silencioso. Quando chegou na praça Saens Pena, já era quase meia-noite. Estranhamente, as ruas não estavam vazias, havia uma aglomeração mais ou menos no centro da praça. Mais um acidente... não, dessa vez parecia assassinato. Viu três crianças estateladas no chão... baleadas... aumentou o volume; sentia um pouco de fome, estava mais preocupado com o que teria para a janta.

4 Comentários:

Erica

Oi, Leonardo,
Retrato fiel de nossa sociedade. Parabéns. Seu estilo, direto e descritivo, e da personagem, indiferente e passivo, enriquecem o texto. Eu teria escrito diferente; afinal, cada um de nós tem um estilo, não?

Livia

Belos contos! Para refletir sobre realidades e percepções tão distintas que, no entanto, coexistem no mesmo espaço.

Leonardo Schabbach

Valeu pelo comentário, fico feliz que tenha gostado, e que o pessoal que comentou antes tenha gostado também. Abandonei um pouco essa série, mas tenho já pelo menos mais dois contos na cabeça para continuá-la. Então devo postar mais em breve.

Postar um comentário

Participe você também. Sinta-se convidado a postar as suas opiniões. Com a sua ajuda, o blog se tornará ainda melhor!

 
Copyright© 2010 Na Ponta dos Lápis
Apoio: Literatura Fantástica
Tema original "Solitude" Modificado por Mundo Blogger