Quer meu livro de graça? Assine minha newsletter e venha conversar comigo!

Além disso, a newsletter é para ser algo mais pessoal, nela vocês podem responder e conversar diretamente comigo. E eu ainda pretendo enviar uma série de textos exclusivos por lá, sendo alguns mais pessoais, alguns capítulos antecipados de livros que serão lançados, assim como alguns e-books gratuitos.

Leia Mais

11

Bee Movie - As idéias por trás do filme

em 17 de ago de 2009.

Observação: caso não tenha assistido Bee Movie, pretenda assistir e não queira saber detalhes, não leia.

Confesso que quando assisti a este filme fiquei chocado. É uma excelente produção, uma animação e fez muito sucesso, ganhando prêmios inclusive (leia a sinopse), mas eu me surpreendi quando vi as idéias presentes nele. Por isso, decidi fazer uma análise para expor a produção de realidade do filme e as noções de verdade por ele apresentadas, como fiz em postagens anteriores - para compreender melhor leia o projeto notas sobre a ficção e também esta postagem sobre os filmes "O incrível Hulk" e "Homem de Ferro").

Bee Movie retrata a história de uma abelha que processa os humanos pelos direitos de todas as abelhas a receberem de volta o mel por elas produzido. No filme, as abelhas são capazes de falar, embora tenham mantido isso em segredo por séculos. O personagem principal, Barry B. Benson (uma abelha com a voz de Jerry Seinfeld), passa a ter uma relação de amor platônico com uma humana e acaba descobrindo que as abelhas são exploradas por nós para que consigamos produzir e vender mel.

Quando se dá conta de tal injustiça, Barry resolve processar os seres humanos para que as abelhas possam reaver o mel que lhes foi roubado, aquilo que foi produzido com o trabalho delas e apropriado de forma indevida pelos donos de vendedoras de mel. Um marxista - ou alguém que já leu as teorias de marx, e neste ponto me incluo - logo percebe que o que está sendo mostrado nada mais é do que: alguém explorado (que por marx seria o operário) e antes alienado percebe finalmente que o seu trabalho está sendo apropriado por um patrão e resolve brigar para reaver aquilo que lhe é de direito.

Até ai tudo bem. Mas depois que Barry B. Benson vence a disputa na justiça é que a história muda - e foi quando eu fiquei surpreendido e chocado. Já no tribunal, o advogado de defesa ameaça Barry dizendo que ele iria se arrepender do que fez, que o que ele fizera fora quebrar o ciclo natural das coisas. Um absurdo, certo? Bem... segundo o filme, errado, como ficaria claro logo depois.

Acontece que, recebendo todo o mel que haviam produzido e que lhes fora roubado, as abelhas ficaram sem mais ter o que fazer e resolveram deixar de trabalhar. Como consequência, não houve mais polinização; sem polinização as plantas começaram a morrer; sem plantas, em pouco tempo veríamos o fim do mundo. Sim, isso mesmo. O fim do mundo.

Eis que Barry B. Benson então percebe que ele realmente havia quebrado o ciclo natural. As abelhas tinham de trabalhar, pois sem o seu trabalho o mundo não conseguiria se sustentar. Sem o seu trabalho nada funcionaria. Elas deviam trabalhar e o mel tinha de ser retirado delas para que continuassem a trabalhar. Só assim manteriam o equilíbrio do mundo, deixariam-no em harmonia. É o que acontece no final do filme. Em determinado momento, o personagem de Jerry Seinfeld chega a declamar um discurso em que diz que todo o trabalho, por mais insignificante que pareça, é de grande importância para o funcionamento das coisas.

Enfim, acho que todos podem perceber a razão pela qual fiquei chocado. Este é um filme para família, para crianças e, como dito anteriormente, fez um sucesso absurdo. O grande problema é que ele, claramente, nos diz: é natural que alguns sejam explorados e outros lucrem com esta exploração; sem este tipo de relação o mundo não funcionaria, entraria, inevitavelmente, em colapso.

11 Comentários:

oleparido

Sim. É bem por aí. Na cabeça de muita gente, o mundo (no Brasil então...) precisa de pobres e miseráveis, visto que alguém tem que fazer o trabalho "sujo".

E é um filme para criança...

Abraço,

Adriano Vinagre

Anônimo

Caraca, não tinha me passado nada disso pela cabeça quando vi o filme, mas pior que é verdade mesmo.

Transeunte

...e não é assim mesmo que funciona normalmente?

E é bom pra molecada tomar juízo e ir estudar ao invés de ficar no orkut o dia todo.. Hahaha =P

Eduardo Baldan

Bom dia, Leonardo!
Cara, confesso que na primeira vez que lí esse post achei que tu estava bem viajando.
Eu não havia lido ainda sobre o Hulk e Homem de Ferro. Com o post de lançamento do teu livro, fiquei mais interessado e li os posts relacionados.

No caso desse post, de fato existem indícios(para ser bonzinho) de que há uma manipulação para que ninguém se questione sobre seu lugar no mundo e sobre o equilibrio que (in)existe entre o trabalho que exerce e o retorno que é recebido.

O que me questiono é: Será que alguma(as) mente(s) se propos a criar um roteiro ou mesmo a idéia central desse filme pensando em "repassar" a noção de cabresto?

Ou será que essa(s) pessoa(s) só acaharam que era uma bela fábula,que renderia um filme divertido e ainda mais, passaria uma mensagem de conforto para todos? (Acreditando realmente nisso)

O que fica na minha cabeça é ... Qual a origem desses movimentos.
Existem "eles", os manipuladores?

Talvez seja ingenuidade minha não querer crer que pessoas conscientes arquitetam ações como essas.

Falei demais!
Grande abraço e parabéns pelo livro.

Transeunte

Eduardo,

De forma geral, as pessoas tendem a nao questionar o modelo em que se inserem. Alem de ser desconfortavel... Da trabalho!

Tambem acredito numa ingenuidade dos produtores/roteiristas da fabula..

Afinal assim como a abelha cujo destino eh trabalhar a vida toda para os outros, nos mesmos somos criados com o mote: "tire boas notas, faca uma boa faculdade, seja um bom funcionario numa grande empresa, trabalhe muito, junte dinheiro e aos 65 anos voce tera o seu futuro (?) garantido" mesmo que para alguns que o questionam, esse modelo seja uma completa perda de tempo. (So pra citar um exemplo).

[]'s!

Solange

Não vou comentar o filme, pois estou assistindo agora, apesar de já ter visto o final no Telecine...

O que eu preciso mesmo é do texto no início do filme, quando eles dizem que as abelhas não deveriam voar, mas voam assim mesmo pq não se importam com que os humanos pensam!!!!

Esse texto é perfeito e queria muito que alguém passasse pra mim...alguém aí tem?

Transeunte

Solange,

A melhor aposta pra encontrar esse texto é procurando as legendas em portugues pro filme. No site legendas.tv certamente deve ter.

Anônimo

O filme foi bem legal mesmo ele ter se ferrado todo,ele conseguiu botar as coisas no lugar e conseguir trabalhar do que ele tanto queria que era voando por aí no mundo.

Anônimo

Achei o desenho bem legal,e no final ele trabalhou do que ele tanto queria.

Anônimo

Muito boa a sua análise. Assisti esse filme já faz muito tempo e nunca havia pensado por esse lado. Parabéns pelo blog!

Postar um comentário

Participe você também. Sinta-se convidado a postar as suas opiniões. Com a sua ajuda, o blog se tornará ainda melhor!

 
Copyright© 2010 Na Ponta dos Lápis
Apoio: Literatura Fantástica
Tema original "Solitude" Modificado por Mundo Blogger