Quer meu livro de graça? Assine minha newsletter e venha conversar comigo!

Além disso, a newsletter é para ser algo mais pessoal, nela vocês podem responder e conversar diretamente comigo. E eu ainda pretendo enviar uma série de textos exclusivos por lá, sendo alguns mais pessoais, alguns capítulos antecipados de livros que serão lançados, assim como alguns e-books gratuitos.

Leia Mais

3

Augusto dos Anjos - caso e poemas

em 29 de set de 2009.

Estava relendo o livro Eu e Outras Poesias, que contém a obra completa de Augusto dos Anjos, quando esbarrei em um poema muito interessante. O poeta do hediondo é um soneto em que autor revela ao leitor fortes características de sua obra: a sua opção por palavras incomuns à poesia, palavras que chocam, que até mesmo causam "nojo", e o tratamento muitas vezes estranho, com certa frieza excessiva, que dá a suas temáticas; como quando fala de seu filho morto e também na famosa passagem "Se a alguém causa inda pena a tua chaga, / Apedreja essa mão vil que te afaga, / Escarra nessa boca que te beija!". Inclusive, tais características levaram Olavo Bilac a fazer um comentário peculiar sobre Augusto dos Anjos. Explicarei melhor a história após o poema.


O poeta do hediondo

Sofro aceleradíssimas pancadas
No coração. Ataca-me a existência
A mortificadora coalescência
Das desgraças humanas congregadas!

Em alucinatórias cavalgadas,
Eu sinto, então, sondando-me a consciência,
A ultra-inquisitorial clarividência
De todas as neuronas acordadas!

Quanto me dói no cérebro esta sonda!
Ah! Certamente, eu sou a mais hedionda
Generalização do Desconforto...

Eu sou aquele que ficou sozinho
Cantando sobre os ossos do caminho
A poesia de tudo quanto é morto!


Comentário: Todos sabemos que Olavo Bilac era um poeta parnasiano, que logicamente presava pela beleza da forma nas poesias, mas isso incluía também a beleza das palavras. Embora Augusto dos Anjos mostrasse grande habilidade formal, sua escolha de palavras e a abordagem que dava a seus temas eram totalmente opostas à arte parnasiana. O próprio poeta assume essa sua iconoclastia no poema Vandalismo. Eis então a história que prometi - eu já a tinha escutado e consegui uma descrição melhor dela na internet.

“Dias depois de sua morte, ocorrida em Leopoldina, Órris Soares e Heitor Lima caminhavam pela Avenida Central e pararam na porta da Casa Lopes Fernandes para cumprimentar Olavo Bilac. O príncipe dos poetas notou a tristeza dos dois amigos, que acabaram de receber a notícia. – E quem é esse Augusto dos Anjos – perguntou. Diante do espanto de seus interlocutores, Bilac insistiu: Grande poeta? Não o conheço. Nunca ouvi falar nesse nome. Sabem alguma coisa dele? Heitor Lima recitou o soneto Versos a um coveiro. Bilac ouviu pacientemente, sem interrompê-lo. E, depois que o amigo terminou o último verso, sentenciou com um sorriso de superioridade: - Era esse o poeta? Ah!, então, fez bem em morrer. Não se perdeu grande coisa.”

Fonte: Blog Panorama


Bem, parece que Olavo Bilac estava errado, não é mesmo? Segue aqui o poema citado na história.


Versos a um coveiro

Numerar sepulturas e carneiros,
Reduzir carnes podres a algarismos,
Tal é, sem complicados silogismos,
A aritmética hedionda dos coveiros!

Um, dois, três, quatro, cinco... Esoterismos
Da Morte! E eu vejo, em fúlgidos letreiros,
Na progressão dos números inteiros
A gênese de todos os abismos!

Oh! Pitágoras da última aritmética,
Continua a contar na paz ascética
Dos tábidos carneiros sepulcrais

Tíbias, cérebros, crânios, rádios e úmeros,
Porque, infinita como os próprios números
A tua conta não acaba mais!

3 Comentários:

ri.ventura

augusto é ótimo. que dizer de Versos Intimos? e Monólogo de uma sombra?
é, bilac errou!

Bruno Ramalho

Bilac errou feio em relação a Augusto! Gosto muito da poesia do Augusto dos Anjos! Não sou fã, como sou da poesia de Drummond e Gullar, mas o considero um grande poeta!

Postar um comentário

Participe você também. Sinta-se convidado a postar as suas opiniões. Com a sua ajuda, o blog se tornará ainda melhor!

 
Copyright© 2010 Na Ponta dos Lápis
Apoio: Literatura Fantástica
Tema original "Solitude" Modificado por Mundo Blogger