Quer meu livro de graça? Assine minha newsletter e venha conversar comigo!

Além disso, a newsletter é para ser algo mais pessoal, nela vocês podem responder e conversar diretamente comigo. E eu ainda pretendo enviar uma série de textos exclusivos por lá, sendo alguns mais pessoais, alguns capítulos antecipados de livros que serão lançados, assim como alguns e-books gratuitos.

Leia Mais

7

Inspiração

em 18 de set de 2009.

Fiz este poema ontem a noite, achei bem diferente e gostei, não sei qual será a opinião de vocês, estou curioso para saber como ele será recebido. De qualquer maneira, achei que era legal dividir, ele é muito divertido, deu algum trabalho também. Ainda fico devendo a última parte do conto policial, mas prometo que coloco aqui amanhã. Achei interessante colocar o poema hoje, o conto fica para o final de semana. Enfim, espero que gostem!


Inspiração

A inspiração entrou pela janela
assim que decidi tomar um ar.
Sentei e conversei com ela,
perguntei se podia me inspirar.

A tarefa, disse ela, é complicada,
me pediu dois bolinhos e um chá.
A noite foi, então veio a madrugada;
a inspiração e eu a conversar.

Metódica, do chá tomava um gole
a cada dois pedaços de bolinho.
É preciso primeiro matar a fome,
para depois descobrir o seu caminho.

Gesticulava e com os gestos desenhava
poemas concretos, poemas-bastão,
como aqueles da química escolada;
fórmulas, carbonetos, combustão.

Me surpreendeu, também era matemática,
se transformou em números na minha frente.
Assustado, gritei "Senhora?" de repente,
ela virou-se para mim e disse "fática"!

Corri e rabisquei no meu caderno
ela leu e olhou com reprovação.
Tinha escrito poemas de inverno,
ela queria poemas de verão.

Irritado, a coloquei para fora,
ela nada tinha a ver com os meus poemas.
E hoje quando escrevo tenho problemas
por causa de uma inspiração que chora.

7 Comentários:

Bernardo

Muito bom! É sempre bom ver a personificação do poeta! Parece a consolação da filosofia do Boécio, em que a filosofia vai conversar com ele. O ponto modernista é este (interpretação de texto, rs): 'me pediu dois bolinhos e um chá', quer dizer, um modernismo meio britânico, rs. Abraço!

Linamarina

A inspiração é selvagem, extraia dela o que quer, só depois dê bolinhos. Apesar dela nunca estar satisfeita pode-se ter um bom relacionamento...Mas no seu caso você já domou a malvada rsrs. Belo.

Anônimo

excelente! prefiro os poemas divertidos, ficou muito bom.

abs. paulo

Adriano Vinagre

Muito bom!

É preciso ter paciência mesmo depois que a inspiração chega e, mesmo assim, nem sempre ficamos satisfeitos com o resultado final.

Parabéns!

Márcia

Adorei... achei meio Mario Quintana (risos) vou roubar tah... como sempre hehehe bjão

Postar um comentário

Participe você também. Sinta-se convidado a postar as suas opiniões. Com a sua ajuda, o blog se tornará ainda melhor!

 
Copyright© 2010 Na Ponta dos Lápis
Apoio: Literatura Fantástica
Tema original "Solitude" Modificado por Mundo Blogger