Quer meu livro de graça? Assine minha newsletter e venha conversar comigo!

Além disso, a newsletter é para ser algo mais pessoal, nela vocês podem responder e conversar diretamente comigo. E eu ainda pretendo enviar uma série de textos exclusivos por lá, sendo alguns mais pessoais, alguns capítulos antecipados de livros que serão lançados, assim como alguns e-books gratuitos.

Leia Mais

4

Poemas de Manuel Bandeira

em 13 de set de 2009.

Mais um dos poetas consagrados que decidi colocar no blog. Manuel Bandeira é espetacular, não só por sua habilidade poética, mas também por sua história. Como talvez fosse até mesmo previsível, faço de minha primeira postagem o poema "Testamento". Além de ser um poema belo - e também triste - é de fato uma obra que marca a vida de Manuel Bandeira. Ela traz todo um tom de confissão e de humildade, além de ser uma espécie de auto-biografia. Explicarei mais abaixo.


Testamento

O que não tenho e desejo
É que melhor me enriquece.
Tive uns dinheiros — perdi-os...
Tive amores — esqueci-os.
Mas no maior desespero
Rezei: ganhei essa prece.

Vi terras da minha terra.
Por outras terras andei.
Mas o que ficou marcado
No meu olhar fatigado,
Foram terras que inventei.

Gosto muito de crianças:
Não tive um filho de meu.
Um filho!... Não foi de jeito...
Mas trago dentro do peito
Meu filho que não nasceu.

Criou-me, desde eu menino
Para arquiteto meu pai.
Foi-se-me um dia a saúde...
Fiz-me arquiteto? Não pude!
Sou poeta menor, perdoai!

Não faço versos de guerra.
Não faço porque não sei.
Mas num torpedo-suicida
Darei de bom grado a vida
Na luta em que não lutei!


Comentário: Para quem não sabe, Manuel Bandeira descobriu, quando ainda muito jovem, que possuía tuberculose. Naquela época, a doença era considerada fatal, portanto ele não esperava viver por muito tempo (e se enganou, só morreu aos 82 anos). Foi por este motivo que largou os estudos, pretendia se formar como arquiteto, para cuidar da doença, o que acabou também o levando a se dedicar à poesia. A obra acima reflete justamente isso, não só as oportunidades que perdeu por causa da doença, mas também o medo e a impossibilidade de seguir o caminho que o pai queria para se embrenhar no meio poético. E assim o autor se auto-proclamou um "poeta menor", o que todos sabemos não ser verdade. Inclusive, uma das homenagens que foi feita ao autor pelo poeta José Paulo Paes (valeu Adriano!) - dizia assim:

Poeta menormenormenormenormenor
Menormenormenormenormenorenorme

Acho que é uma das homenagens mais bonitas e inteligentes que eu já vi. Mas, enfim, falando de Bandeira, o que destaco é a sua enorme capacidade de criar poemas musicais e de se conectar com o público. Talvez por causa de toda a sua história de vida, ele tenha desenvolvido uma sinceridade que nos atrai. Afinal, nos dias de hoje é extremamente difícil de se encontrar alguém assim, sincero.

- O poema postado foi retirado do livro "Antologia Poética".

4 Comentários:

oleparido

O poema citado é do José Paulo Paes, falecido em 98.

Eu gosto de muita coisa dele, até por ser bem sintético.

'Hino ao Sono' e o 'O Último Heterônimo' ("O poema é o autor do poeta") são alguns dos meus favoritos.

E esse poema do Pessoa é maravilhoso, como a imensa maioria

Abraço,

Adriano Vinagre

literaturaemcontagotas

Muito bom esse poema,como quase todos os de Manuel Bandeira. Ele era muito modesto... Abraço!

Leonardo Schabbach

Eu tinha quase certeza que era do José Paulo Paes. Mas como não tinha certeza absoluta preferi omitir, hehe. Valeu Adriano. Depois vou ajeitar na postagem mesmo.

Abraço. E, mais uma vez, obrigado ao pessoal pela colaboração.

Postar um comentário

Participe você também. Sinta-se convidado a postar as suas opiniões. Com a sua ajuda, o blog se tornará ainda melhor!

 
Copyright© 2010 Na Ponta dos Lápis
Apoio: Literatura Fantástica
Tema original "Solitude" Modificado por Mundo Blogger