Quer meu livro de graça? Assine minha newsletter e venha conversar comigo!

Além disso, a newsletter é para ser algo mais pessoal, nela vocês podem responder e conversar diretamente comigo. E eu ainda pretendo enviar uma série de textos exclusivos por lá, sendo alguns mais pessoais, alguns capítulos antecipados de livros que serão lançados, assim como alguns e-books gratuitos.

Leia Mais

6

O Corpo (conto retirado do livro "Estudos sobre a leveza")

em 25 de fev de 2010.

Com a permissão do autor, e como prometido, aqui segue um dos contos do livro Estudos sobre a leveza, de Fernando Torres (@novasvisoes). Creio que ele traz um pouco da vontade de desvendar "o humano", como mencionei na resenha sobre o livro. Neste conto em especial, essa investigação se dá de modo um pouco diferente do que costumamos ver na cultura literária nacional. Em vez de se voltar para dentro das personagens, como costumeiramente se faz no Brasil, o conto traz a reflexão por meio do que acontece no exterior delas, de uma maneira parecida com o que faz um dos meus contistas favoritos, o Gonçalo M. Tavares. Enfim, vejam o que acham do conto. Depois, participem da promoção e concorram a um exemplar do livro. Enviem suas frases!!


O CORPO

Naquela manhã, bem em frente da padaria, apareceu um corpo. Era uma mulher (alguns disseram que era uma menina) de boas roupas e absolutamente desconhecida a todos os frequentadores do estabelecimento.

“Uma drogada!”- gritou um senhor.

“Você chama todo mundo de drogado” - e era verdade.Aquele senhor já acusara a filha da senhora que replicava de drogada. Assim como o os filhos e netos de quase todos que estavam por ali.

O padeiro estava preocupado. Se abrisse os portões, teria lucro (já juntava uma multidão em volta do corpo) mas seus clientes teriam de pular o corpo para entrar, e isso poderia ser considerado ofensivo. Se fechasse a porta, seus clientes podiam perceber o inevitável: o pão três quadras acima tinha o mesmo preço e menos bromato. Podia perder clientes de qualquer maneira.

Um jovem chegou e olhou com cuidado. Parecia uma colega do colégio, mas um telefonema já contrariou a teoria. Um repórter passou e tirou foto para o jornal. A polícia simplesmente não aparecia. Até que alguns curiosos, já enfadados da falta de respostas sobre o corpo da menina, resolveram que poderiam tirar fotos eles mesmos. Um homem, desses já feitos mas sem cabelos brancos, pediu para um amigo bater umas fotos: abraçou o corpo, fez pose e brincou.

E veio a revolta.“pode ser filha de alguém!”,“podia ser sua irmã!”. E veio o linchamento. Da revolta, não se sabe muito bem quem, levantou-se o corpo, e a multidão poliforme seguiu a carregar a jovem em direção ao hospital, que sem espaço em seu necrotério negou armazenar a menina. A multidão seguiu em frente, e no rabo da revolta saíram médicos, enfermeiros, auxiliares e funcionários do hospital, em greve e carregando seus doentes até a autoridade mais próxima.

O rapaz linchado por conta da brincadeira chegou ao hospital com dificuldade. E este estava vazio.

6 Comentários:

Tiffany Noélli

Parabéns ao conto de Fernando Torres! E você Leo, que iniciativa positiva de publicar material de outro autores aqui no seu Blog, que por sinal de super de bom gosto. Pena que dom para escrever contos, poemas eu não tenho. Somente mesmo, texto sobre atualidades ou biográficos de personalidades que admiro. Sempre vou entrar aqui agora e vou por em favoritos. :)

Postar um comentário

Participe você também. Sinta-se convidado a postar as suas opiniões. Com a sua ajuda, o blog se tornará ainda melhor!

 
Copyright© 2010 Na Ponta dos Lápis
Apoio: Literatura Fantástica
Tema original "Solitude" Modificado por Mundo Blogger