Quer meu livro de graça? Assine minha newsletter e venha conversar comigo!

Além disso, a newsletter é para ser algo mais pessoal, nela vocês podem responder e conversar diretamente comigo. E eu ainda pretendo enviar uma série de textos exclusivos por lá, sendo alguns mais pessoais, alguns capítulos antecipados de livros que serão lançados, assim como alguns e-books gratuitos.

Leia Mais

6

As pequenas livrarias estão morrendo? Como isso afetaria a relação entre editoras, distribuidoras e livrarias?

em 20 de set de 2010.

Após algum tempo sem postar periodicamente no blog, creio que agora posso voltar, com algumas coisas já mais encaminhadas, a escrever por aqui com a constância com a qual os leitores já estavam acostumados. Desta vez, aproveito para falar sobre um assunto sobre o qual venho pensando muito, até por causa da abertura da minha editora.

Recentemente, foi divulgada uma pesquisa anual da ANL, Associação Nacional de Livrarias, sobre a situação das livrarias no país (infelizmente não estou encontrando o link para o PDF que contém os resultados). A pesquisa em questão traz números muito interessantes no que se refere às pequenas livrarias, mostrando que, apesar de a maioria ter um faturamento médio de 300 mil, este faturamento paga por muito pouco os custos de manutenção e compras de livro, o que pode provocar o fechamento de muitos destes estabelecimentos. Na contramão deste processo, estão as grandes redes livreiras, especialmente as megastores, que têm alcançado lucros milionários todos os anos.

Quando estava com estes assuntos na cabeça, ainda li um artigo muito interessante no blog Livros, Livrarias e Livreiros sobre O início do fim das pequenas livrarias. E de fato este me parece ser o caminho que o mercado livreiro, infelizmente, começa a tomar. Embora ainda haja nichos a serem explorados pelas livrarias independentes - o que inclui a própria internet, pouco usada atualmente - a situação fica cada vez mais difícil para elas. Se uma pequena livraria não estiver em uma localidade onde o mercado de rua, de lojas de rua, seja muito forte e um hábito para a população, dificilmente ela irá conseguir sobreviver sem dificuldades, ainda mais se se encontrar próxima a um Shopping Center, onde provavelmente haverá uma ou mais lojas de grandes redes livreiras. Ao que parece, maioria das pessoas, por uma questão talvez de preço e comodidade, tem comprado seus livros nestes locais.

Então, fiquei com esta questão, que é de fato muito importante. Estaríamos mesmo vendo o início do fim das pequenas livrarias? Como poderíamos mudar essa situação?

Depois, ainda me veio uma outra pergunta. Se as grandes redes livreiras ganham cada vez mais força e dominam, de forma cada vez mais imponente, o mercado de livros, o que acontecerá com a distribuição?

Esta me parece uma questão realmente muito delicada, algo que requere muita reflexão, especialmente por quem trabalha com o livro. Ainda não sei ao certo como me posicionar, mas tenho algumas idéias. Certamente, com a redução do número de pequenas livrarias, será ainda mais difícil para uma pequena editora, por exemplo, dar uma boa visibilidade nas lojas para seus títulos, afinal, a concorrência por espaços nas estantes ficará ainda mais acirrada. Talvez isso faça com que estas editoras dependam ainda mais de uma boa relação com distribuidores fortes, que consigam colocar as obras nas principais livrarias do país. Porém, há também, ao meu ver, uma segunda possibilidade, que pode inclusive diminuir a relação distribuidora/editora. Afinal, se houver a necessidade de se negociar apenas com 4 ou 5 redes livreiras para que se coloque um título nas estantes, exatamente pelo fato de que a fragmentação é menor, é mais fácil para uma pequena editora lidar diretamente com todos os seus clientes. Isso significa dizer que elas podem tentar uma negociação direta com as grandes redes. Entretanto, esta não é uma tarefa fácil, uma vez que normalmente este tipo de negociação só ocorre com as editoras de grande porte.

Enfim, como eu disse, é uma questão delicada, mas se uma pequena editora for capaz de traçar algumas estratégias interessantes de divulgação de seus livros, o que pode incluir custos com marketing, algo que normalmente não é valorizado, o que é um erro, pode ser que a negociação direta com as grandes redes seja possível, o que pode também facilitar a divulgação e vendagem dos novos títulos.

Ou seja, num mercado cada vez mais acirrado, parece-me que será cada vez mais necessário criar meios para que uma obra ganhe seu devido destaque, para que ela possa, quem sabe, ter pelo menos uma pequena chance de lutar por um espaço nas vitrines.


Nota: um dos leitores do blog me passou um artigo bem interessante, falando um pouco de marketing literário. Vale conferir: Evangelismo Literário.

6 Comentários:

Paul Law

Realmente, essa questão me parece muito delicada também. Acredito que com o empenho consciente das novas editoras e com a valorização dos leitores seja possível reverter essa situação de dificuldade.

Divulgação, como você bem alerta é muito importante. Acho que a internet serve para nos ajudar neste sentido. Ótimo texto, Leonardo!

Um abraço

Adriano Vinagre

Esse tema foi tratado no filme, que é muito água com açúcar, "Mensagem para você" (You've Got Mail, 1998), com Tom Hanks e Meg Ryan.

E, meu caro, não tem jeito. Capitalismo é isso aí (e nada contra isso), é a lei dos mais fortes (editoras e livrarias).

Não há sentido para o consumidor comum (o de best-seller) buscar o livro em uma pequena livraria que tem o mesmo preço (às vezes mais caro) e menos quantidade de escolha, ou que não tem os DVDs de filmes...

Uma das alternativas, que vislumbro aqui rapidamente, é que as pequenas livrarias se especializem, por exemplo, uma só de poesia, com clássicos e poetas novos, bem "off best-seller", com saraus, declamações e até shows de poesia cantada. Pode virar cult. Pode ser uma tremenda furada.

Ou então uma pequena livraria especializada em livros de Direito, já existem e sobrevivem bem, pois a literatura doutrinária é vasta. Ou que tratam só de livros de arte, fotografia, pinturas, biografias de artistas, claro que também com LPs raros, CDs que não são mais vendidos... E por aí vai.

Já em relação às pequenas editoras, o capitalismo e o seu mercado são ainda mais cruéis ao meu ver. O poder de barganha delas é muito alto. A tentativa de se tentar um negócio especializado com as livrarias, como citei acima, é mais arriscado, pois o risco de não vender é mais alto, pois as grandes livrarias não irão comprar e as grandes editoras, hoje em dia, trabalham com "selos", o que "especializa" a editora, também, naquele segmento.

Sinceramente, acho que é necessária uma operação coordenada entre as duas coisas e uma senhora sorte de achar o autor ideal, porreta mesmo, antes que uma grande editora pegue.

Abraços,

Adriano Vinagre

letraimpressa.com

Isso me lembra um orador que ouvi há muito tempo, dizendo enfaticamente 'especialize-se ou morra'. Pequenas editoras focando em nichos específicos, livrarias oferecendo mais que apenas livros (um café, ou uma tarde filosófica é o bastante--nada de transformar a livraria num supermercado) parece ser uma solução.

Talvez não a mais perfeita, mas ainda uma solução.

Abraços,

Marcelo Paschoalin

Leonardo Schabbach

Legal pela opinião de todos. Realmente, a situação para as pequenas livrarias é mesmo complexa, talvez a especialização seja mesmo um caminho.

E continuo pensando por aqui em que isso poderá afetar também a distribuição de livros, hehe.

Phallos

Veio bem a calhar este texto, no momento em que nos reunimos alguns amigos para criar uma pequena livraria numa pequena cidade do interior. Sempre é bom nascer já com a sabedoria de que a morte é certa, embora não se saiba a data. Tal consciência nos faz amar a vida, ou ao menos agarrar-se a ela.
Leonardo, a Mútuus tem uma distribuidora ou está negociando diretamente com as livrarias?

amadreperola

No interior livraria é raridade. A situação é crítica, pois na minha cidade nem banca de revista tem! Na cidade de médio porte próxima a livraria mais antiga que conheço sobrevive porque tem loja dentro do campus da faculdade. Muitas vezes é preciso recorrer a internet. Abraços Aline

Postar um comentário

Participe você também. Sinta-se convidado a postar as suas opiniões. Com a sua ajuda, o blog se tornará ainda melhor!

 
Copyright© 2010 Na Ponta dos Lápis
Apoio: Literatura Fantástica
Tema original "Solitude" Modificado por Mundo Blogger