Quer meu livro de graça? Assine minha newsletter e venha conversar comigo!

Além disso, a newsletter é para ser algo mais pessoal, nela vocês podem responder e conversar diretamente comigo. E eu ainda pretendo enviar uma série de textos exclusivos por lá, sendo alguns mais pessoais, alguns capítulos antecipados de livros que serão lançados, assim como alguns e-books gratuitos.

Leia Mais

1

No Interior da Baleia - por Carlos Drummond de Andrade

em 30 de set de 2010.

Como minha última postagem falou sobre os conectores na hora de se produzir uma boa narrativa (ou melhor, o cuidado que devemos ter ao usá-los - leia: O perigo dos conectores), decidi colocar mais um conto de Carlos Drummond de Andrade no blog para o pessoal acompanhar. Acho que a linguagem simples mostrará bem as coisas de que falei no meu último texto. Além disso, é exatamente o tipo de conto que eu gosto: surpreendente e apelando um pouco para o absurdo, sempre com bons toques de humor. Acho que vocês irão gostar!

Nota: a obra foi retirada do livro Contos Plausíveis (se quiser saber mais sobe a obra, clique aqui)


No Interior da Baleia

Havendo a lei de Moisés autorizado que se comessem, dentre os animais habitantes das águas, aqueles providos de barbatanas, o pobre pescador, ao divisar uma baleia, dispôs-se a ingeri-la. Guardaria em seu casebre o que sobrasse da refeição, e devia ser muito, para ulterior aproveitamento.

A baleia, aparentando ser de boa índole, mostrou-se disposta a satisfazê-lo, mediante contrato. Ela também sentia fome, e por isso começaria comendo o pescador, que, já no seu ventre, a iria comendo pouco a pouco. A proposta foi aceita, e o animal, atenciosamente, evitou mastigar a carne do contratante, que por sua vez prometeu ser gentil na manducação interna.

O ventre da baleia era tenebroso, atravancado de volumes que incomodavam o pescador. Eram formas que se moviam, e ele distinguiu entre elas seres vivos, homens e peixes ansiosos por libertação. Estavam todos reduzidos a cativeiro, por haverem prestado fé à palavra da baleia. O pescador percebeu que devia incorporar-se ao grupo na tentativa de buscar o caminho de saída, fosse ele qual fosse. Mas os que estavam lá dentro havia muito tempo, declarando-se sem forças para agir, acharam de bom aviso devorar o pescador, para que melhor enfrentassem a situação. O que foi feito, apesar de seus protestos.

1 Comentários:

Isie Fernandes

Oi, Leo.

Sabe que esse conto me fez recordar daquele seu conto "Estranhos"? Que baleia mau caráter! Atraiu, seduziu e engodou o pobre pescador, feito a velhinha do conto que citei. Pobre pescador, pobre rapaz... E muitos andam caindo nas lábias das baleias da vida, como se o caminho aparentemente mais fácil fosse realmente o mais curto.


Grande abraço!

Postar um comentário

Participe você também. Sinta-se convidado a postar as suas opiniões. Com a sua ajuda, o blog se tornará ainda melhor!

 
Copyright© 2010 Na Ponta dos Lápis
Apoio: Literatura Fantástica
Tema original "Solitude" Modificado por Mundo Blogger