Quer meu livro de graça? Assine minha newsletter e venha conversar comigo!

Além disso, a newsletter é para ser algo mais pessoal, nela vocês podem responder e conversar diretamente comigo. E eu ainda pretendo enviar uma série de textos exclusivos por lá, sendo alguns mais pessoais, alguns capítulos antecipados de livros que serão lançados, assim como alguns e-books gratuitos.

Leia Mais

4

Sensações

em 2 de set de 2010.

Este é um poema que eu não pretendia postar aqui. Ele fazia parte de alguns textos que eu estava guardando para colocar em um livro de poesias, que conteria poemas já colocados no blog e alguns "inéditos", digamos assim. Porém, com toda a correria da editora, mais o lançamento do Código dos Cavaleiros, acho que a idéia do livro de poesia terá de ser adiada. Por isso, coloco este poema aqui. Ele é um pouco diferente do que costumo fazer; segue uma linha um pouco mais livre e sensitiva também (o nome indica isso, não é mesmo?). Espero que o pessoal goste!


Sensações

[1]

A chuva,
como é bonita.
Caindo sobre a cidade,
como uma cortina,
simples e vertical.

Algum tempo depois, ela some
e deixa as memórias assentarem-se,
como sombras escondendo-se da luz.


[2]

A chuva cai fina sobre a pele.
Perfura,
gota a gota,
atravessando a espinha.

Tranqüilidade e presságio.

Calmaria.


[3]

O gole de água desce a garganta
seca
e hidrata as temerosas cordas
vocais
que falham em uma paralisia
contínua.

Ele é tímido
e ela olha.


[4]

Nas retinas,
eterniza-se a imagem

A respiração pesa no peito.

Ansiedade.


[5]

O abraço reconforta,
relaxa os músculos do corpo já castigados pelo cansaço;
esquenta.

Num abraço,
duas entregas.
E uma parceria.

Num abraço
o sentimento se cria.


[6]

Os lábios se tocam lentamente.
Tímidos.

Os corpos se aproximam, ainda rígidos,
até que se completam.

O beijo atiça a carne,
sensibiliza o toque.
Une as almas.

Eles notam.


[7]

A luz penetra tênue como um fio a cruzar a janela.
Tudo é penumbra,
mas nada é vazio.

A luz corta as sombras
e os corpos revela.

Nus.
entregues ao sono.
Satisfeitos.

Ele e ela.

4 Comentários:

Leonardo Schabbach

Hehe. Bom que tenham gostado =P

É um poema mais bonito mesmo, pra invocar sensações em que lê, às vezes sensoriais, às vezes emocionais. Ou ambas!

Água para Plantas

Olá...
Lí a sua ultima poesia e adorei o seu blog. Eu também escrevo poesias e crônicas, fora outras coisas da minha vida. Faço parte de um grupo de poesias de São Gonçalo RJ - http://www.manifestotavernista.blogspot.com/ - E gostaria também de te mostrar um pouco da minha poesia e obra, já que sou músico, designer amador e escritor.
Desde já, obrigado pela sua atenção!
http://aguaparaplantas.wordpress.com/ - Minhas poesias e escritas.
http://www.myspace.com/rodrigovieiraserra - Minhas músicas
Obrigado!
Rodrigo Vieira Serra.
Essa sensações, é muito pictória... É como um quadro, muito bonita mesmo...

Postar um comentário

Participe você também. Sinta-se convidado a postar as suas opiniões. Com a sua ajuda, o blog se tornará ainda melhor!

 
Copyright© 2010 Na Ponta dos Lápis
Apoio: Literatura Fantástica
Tema original "Solitude" Modificado por Mundo Blogger