Quer meu livro de graça? Assine minha newsletter e venha conversar comigo!

Além disso, a newsletter é para ser algo mais pessoal, nela vocês podem responder e conversar diretamente comigo. E eu ainda pretendo enviar uma série de textos exclusivos por lá, sendo alguns mais pessoais, alguns capítulos antecipados de livros que serão lançados, assim como alguns e-books gratuitos.

Leia Mais

12

Entrevista com Fernanda França: os obstáculos para novos autores, criação literária e mais...

em 25 de out de 2010.

Sempre que posso, gosto de trazer algumas entrevistas interessantes ao blog; sei também que é um tema que agrada os leitores do Na Ponta dos Lápis. Portanto, gosto muito de entrevistar novos autores para mostrar as dificuldades pelas quais eles passam, quais os seus processos criativos e etc... Hoje, trago uma entrevista com a Fernanda França (@fernandafranca), uma das idealizadoras do grupo Novas Letras (@novasletras) - já falei sobre esse projeto aqui, que é muito interessante, na postagem Novos autores conquistam espaço no mercado editorial.

Achei interessante fazer a entrevista por tudo o que ela alcançou nos últimos meses. O seu livro, Nove Minutos com Blanda, lançado pela Editora Multifoco, foi muito bem recebido pelo público e muito bem divulgado, algo que teve haver com um grande esforço feito pela autora. Ela conseguiu que o livro ganhasse seu espaço na Saraiva, algo bem complicado para um novo autor, assim como, junto com o projeto Novas Letras, tem participado de eventos - que ocorrem nas lojas da rede livreira - em que diversos autores entram em contato com seus leitores e falam sobre diversos temas literários (veja uma postagem sobre um dos eventos aqui). Como se isso não bastasse, a autora ainda conseguiu colocar seu livro em 3 estandes diferentes da última Bienal de São Paulo, tema que será tratado na entrevista.

Enfim, creio que o conteúdo do que virá logo abaixo irá interessar muito aos leitores do blog - sejam eles autores ou não - não só por falar um pouco mais da realidade do novo escritor, como também por mostrar um pouco da relação da autora com seus livros, com a criação literária e com suas personagens. Espero que gostem.

Nota: Quem estiver interessado no livro, pode comprá-lo pela Saraiva ou no site da autora. Uma crítica sobre a obra pode ser lida aqui.


Por que resolveu se tornar uma escritora? Foi uma questão de necessidade? Começou a escrever desde cedo? Enfim, fale um pouco sobre sua história.

R: Olá, leitores! É sempre um prazer “falar” com vocês :o) Bom, comecei a escrever desde cedo, sim. Aos quatro anos eu era apaixonada pelas histórias da Turma da Mônica, do Mauricio de Sousa (ainda sou!) e aos seis anos escrevi meu primeiro poema. Não me lembro exatamente quando escrevi a primeira historinha, mas eu devia ter 9 ou 10 anos. Com 17, no primeiro ano de faculdade de Jornalismo, escrevi o primeiro conto que mantém o estilo que tenho até hoje (quem quiser ler alguns de meus contos, estão aqui: http://fernandafranca.com.br/contos/) . Escrever foi uma necessidade da alma, eu diria, não de trabalho, porque sou formada em Jornalismo e trabalhei por 12 anos como repórter, desde a faculdade. Mas escrever histórias sempre foi minha vida.


Fale um pouco sobre sua experiência como uma nova escritora em um mercado que, como muitos dizem, é muito fechado para os novos talentos.

R: Acredito que o mercado ainda é fechado no Brasil por diversos motivos. Em primeiro lugar, a questão é social, de educação ruim e falta de incentivo à leitura. Temos poucos leitores em um país tão grande! E em segundo lugar, o que é triste, é que os leitores ainda têm preconceito com a literatura nacional. Felizmente, vejo que esse quadro tem mudado e atribuo grande parte da conquista aos blogs literários. O mercado é fechado para autores nacionais, principalmente. Mas acredito que a força dos leitores pode ajudar a mudar essa situação e ainda veremos livros nacionais com maior destaque nas livrarias. Eu quero ver essa mudança!


Como foi a experiência deste primeiro livro? Fale um pouco dele. Como foi a recepção do público?

R: Eu estou muito feliz com a recepção da comédia romântica Nove Minutos com Blanda. O livro foi escrito de 2006 a 2008, nas horas vagas, já que eu trabalhava em um jornal. Em 2009 procurei editora, bati na porta mesmo, e em janeiro de 2010 o livro foi lançado pela Multifoco. Adoro ter contato com o público, saber o que querem ler, do que gostam, o que esperam. E passei a conhecer os leitores do meu livro. É uma grande alegria!


Podemos dizer que este seu primeiro livro, "Nove Minutos com Blanda", foi um sucesso, especialmente se contarmos as dificuldades encontradas por novos autores. Sei que você, inclusive, esteve na Bienal de São Paulo deste ano. Como foi a experiência? Como você conseguiu faze parte do evento? Vendeu muitos exemplares?

R: Obrigada!!! Fico muito feliz quando vejo as pessoas falando de Nove Minutos com Blanda. Para participar da Bienal eu entrei em contato com todas as pessoas possíveis e imaginárias (risos) até receber o convite. Em princípio, eu ficaria apenas no estande da Scortecci, mas em seguida a Multifoco informou que teria um estande na Bienal e a Saraiva convidou para uma tarde de autógrafos no evento. Então Blanda estava em três estandes! Ainda não tenho a planilha de vendas da Bienal, mas as vendas superaram minhas expectativas! :o)


Além da Bienal, você também faz parte do projeto Novas Letras (sobre o qual já falei no blog), o que lhe permitiu rodar as Saraivas do Rio e de São Paulo em eventos muito interessantes, envolvendo muitos autores, algo também muito raro de se conseguir quando se está começando. Explique um pouco os ideais do projeto, fale de suas conquistas.

R: O grupo Novas Letras tem como objetivo divulgar a literatura nacional por meio de encontros com diferentes temas entre escritores e leitores. É uma alegria imensa participar desses eventos – já estive em três livrarias em São Paulo, uma no Rio e uma em Brasília – e estar em contato com os leitores. A conquista do grupo acontece quando percebemos que os leitores passam a ver a literatura nacional como uma grande opção. Somente quando os leitores passarem a pedir mais os livros nacionais, as editoras passarão a se interessar na publicação e as livrarias abrirão as portas para essas obras. Obrigada a todos que divulgam o Novas Letras!


Como foi a aproximação do projeto Novas Letras com a Saraiva?

R: Um projeto bem elaborado, por escrito, com uma reunião entre representantes da livraria e autores, além de muita batalha.


Agora vamos falar um pouco sobre criação literária. Fale um pouco de seus processos de criação. Para você, qual a importância das personagens na história? Como você as cria? Normalmente, você já tem uma história em mente e as personagens apenas desempenham um papel ou são elas que constróem a história? Enfim, divida suas experiências conosco.

R: Como eu sempre comento, eu não crio personagens, eu as conheço (risos). Assim que surgem na história, cada personagem passa a escrever sua própria estrada e eu vou acompanhando e guiando. É um processo maravilhoso escrever. Geralmente eu tenho o início e o fim da história em mente, mas o “recheio” vem com a maturidade do livro.


Está trabalhando em algum novo livro?

R: Sim, uma nova comédia romântica. E é tão deliciosa que não vejo a hora de mostrar para vocês :o)


Que dicas você dá para os novos autores?

R: Nunca desistir. Ler muito. Ler muito muito muito. Ler mais ainda. Escrever é um processo de criatividade, mas de muita batalha, persistência e determinação. Gostar da língua portuguesa não é opcional, é essencial. E ler um pouquinho mais, para finalizar.

Site: www.fernandafranca.com.br
Blog: www.fernandafranca.com.br/blog
Twitter: www.twitter.com/fernandafranca
Skoob: www.skoob.com.br/livro/sobre/90431

12 Comentários:

Paul Law

É interessante ver que o mercado litarário nacional está mudando devido ao esforço de escritores como Fernanda França. A iniciativa dela e dos demais escritores do projeto "Novas Letras" é muito legal!

Ótima entrevista! Parabéns ao entrevistador e à entrevistada.

amadreperola

É realmente triste haver poucos leitores no país, mas, saber que existem boas perspectivas é maravilhoso. Gostei da entrevista! Espero poder comprar o livro, a história parece ser interessante. Livro é um artigo precioso, mas ainda é caro para grande parte dos bolsos brasileiros. Aline

Anônimo

Eu mesma, gosto de escrever,e tenho preferencia por livros de fora, temos um pessimo pensamento q eles sao melhores q nós,temos q mudar isto, e ja!!!

Anônimo

Adorei a entrevista. Realmente o desinteresse pelos autores nacionais é constrangedor... e, o país conta com grandes talentos literários.
Vou procurar o livro, e após o ler, darei meu parecer.
Simone

Anônimo

Muito interessante sua entrevista,sou louca por livros ja li varios, todos incriveis so acho ruim porque nem todos tem a mesma sede que eu tenho pela leitura
Raisa,Irece-ba

Gisa Santanna

To com uma MEGA dúvida agora.. Vi a forma com que Fernanda se postou no lançamento (cheio de rosa e tal) será que é por causa do personagem dela? è que, estou pensando em como vou me portar no meu lançamento rsrsrsr.. imagine só! nem imaginei que um dia pudesse dizer isso.
o que vestir? como se postar? pensar como a personagem? parecer-se com ela? ou ser simplesmente eu? ir de allstar, jeans, como me sinto bem ou usar um vestido, um salto e parecer qualquer coisa menos eu mesma?
dúvida cruel!

Yu e Yo

Muito boa a entrevista!
Eu acabei cruzando com o blog por também ter o desejo de publicar meus livros. Finalizei o primeiro agora e estava procurando "como divulgar seu livro"; rodei, rodei, e acabei afortunadamente aqui.
Tenho um processo de criação parecido com o da Fernanda, e achei ótimo ela ter compartilhado como foi o caminho dela.
Enfim, como ela mesmo disse, e eu concordo, vou continuar lendo! rs
Parabéns ao blog e a autora!

Anônimo

Otima entrevista,adorei!!! Muitos dizem q o mercado literário ainda é muito fechado para autores nacionais.Talvez por que não fazem tanto sucesso? Talvez não tenham boas histórias para contar como os escritores estrangeiros? Nada disso,temos histórias melhores que os de lá de fora. Pelo o meu ver, o problema dos livros nacionais são as capas. ISSO MSMO! CAPAS! já parou pra pensar o quanto as capas chamam a atenção em um livro? na maioria das capas nacionais não senti atração!!! Faltam bons ilustradores !!!! tenho três livros já escrito!!! comecei a digitar o primeiro, mas tenho medo de publicar por conta das capas!!! Parabéns pelo livro!!!! :D

Postar um comentário

Participe você também. Sinta-se convidado a postar as suas opiniões. Com a sua ajuda, o blog se tornará ainda melhor!

 
Copyright© 2010 Na Ponta dos Lápis
Apoio: Literatura Fantástica
Tema original "Solitude" Modificado por Mundo Blogger