Quer meu livro de graça? Assine minha newsletter e venha conversar comigo!

Além disso, a newsletter é para ser algo mais pessoal, nela vocês podem responder e conversar diretamente comigo. E eu ainda pretendo enviar uma série de textos exclusivos por lá, sendo alguns mais pessoais, alguns capítulos antecipados de livros que serão lançados, assim como alguns e-books gratuitos.

Leia Mais

4

Zain, o mestre Zen - Em espera

em 2 de nov de 2011.

Lembram-se da minha série Donatelo, o escritor? Pois é, agora a série cresceu. A partir de agora, ela conterá, na realidade, três diferentes personagens, com suas observações e peculiaridades. Depois, farei as mudanças na parte de séries do blog, assim que escolher um nome para esta experimentação que englobará os três personagens. Hoje, apresento-lhes o segundo deles. Zain, o mestre Zen. O terceiro a entrar nesta série permanecerá como um segredo. No entanto, todos farão parte de contos curtos, simples e carregados de significação. Espero que gostem!

******************

Em espera

Zain foi jogado do alto de um prédio, mas, por algum motivo estranho, esqueceu-se de cair. Ficou ali, parado, congelado entre o décimo oitavo andar e a calçada.

As pessoas que passavam ficavam assustadas; como aquele homem podia ficar congelado no ar? Deveria ser algum tipo de show de mágica. Quem sabe não gravavam um filme ou um comercial?

Zain permaneceu estático. E ficou ali, sem qualquer movimento, por horas. Aos poucos, a aglomeração curiosa se cansou do espetáculo; e as pessoas voltaram aos seus afazeres. Zain continuava parado, no ar, entre o décimo oitavo andar e o chão; flutuava. Os passantes já quase não o notavam, uma vez que ele nem caía, nem levantava em um vôo surpreendente e sobrenatural. Ninguém dava atenção àquilo que ficava simplesmente parado, em posição de espera.

Nesta sociedade estranha, pensava Zain, quem não está em constante movimento se torna uma parte esquecida da paisagem.

4 Comentários:

Tiago do Valle

Forte... A carapuça serviu. Não sei se me condeno por me sentir parado entre o décimo oitavo andar e o chão, ou se condeno a ansiedade da sociedade capitalista... Carai, acho que a primeira opção é mais simples.

Fabi MusicArtiando

Gostei muito! Direto e ao mesmo tempo fazendo observar várias questões, não só a do movimento, como a questão das expectativas das pessoas sobre os fatos, bem, senti assim, muito bom!

Postar um comentário

Participe você também. Sinta-se convidado a postar as suas opiniões. Com a sua ajuda, o blog se tornará ainda melhor!

 
Copyright© 2010 Na Ponta dos Lápis
Apoio: Literatura Fantástica
Tema original "Solitude" Modificado por Mundo Blogger