Quer meu livro de graça? Assine minha newsletter e venha conversar comigo!

Além disso, a newsletter é para ser algo mais pessoal, nela vocês podem responder e conversar diretamente comigo. E eu ainda pretendo enviar uma série de textos exclusivos por lá, sendo alguns mais pessoais, alguns capítulos antecipados de livros que serão lançados, assim como alguns e-books gratuitos.

Leia Mais

3

Homenagem a Carlos Drummond de Andrade (+seleção com links para meus textos favoritos)

em 1 de nov de 2011.

Com um dia de atraso, faço minha singela homenagem ao grande poeta e escritor Carlos Drummond de Andrade, que fez "aniversário" no último dia 31 de outubro, tendo nascido em Itabira, Minas Gerais, em 31/10/1902. Fazia algum tempo, postava muita coisa do Drummond por cá. Depois, o número de postagens diminuiu, mas quem acompanha o Na Ponta dos Lápis sabe que eu gosto muito do trabalho deste que foi um dos maiores escritores brasileiros. Na realidade, gosto mais ainda de Drummond como contista do que como poeta, tanto que já coloquei vários de seus textos em prosa por aqui. Em todas as suas obras, o que mais me chama a atenção é a inteligência das palavras, o humor e a ironia, além da simplicidade na linguagem. No entanto, não se trata de uma "simplicidade simples", mas de um estilo literário altamente complexo; a realidade é que ter a profundidade que tem Carlos Drummond de Andrade através de textos bem diretos, "fáceis de se ler" e aparentemente simples, é uma das coisas mais difíceis de se conseguir na literatura.

Por todos estes motivos, tive que fazer uma postagem no blog em homenagem a este grande escritor. Decidi, para isso, colocar mais um de seus poemas aqui - e optei também por linkar para vários de seus textos já publicados no blog. Assim, quem não acompanhou tais postagens anteriormente, poderá conhecê-las - e quem já as acompanhou, poderá relembrá-las. O poema que selecionei para hoje é bem legal. Fala de uma forma altamente conectada sobre tempo, memória e sentimentos - e eu, particularmente, gosto muito destas questões, tanto que são recorrentes em minhas próprias poesias. É um poema muito bonito também.



Não Passou

Passou?
Minúsculas eternidades deglutidas por mínimos relógios
ressoam na mente cavernosa.
Não, ninguém morreu, ninguém foi infeliz.
A mão - a tua mão, nossas mãos -
rugosas, têm o antigo calor
de quando éramos vivos. Éramos?
Hoje somos mais vivos do que nunca.
Mentira, estamos sós.
Nada, que eu sinta, passa realmente.
É tudo ilusão de ter passado.



Algumas das minhas favoritas postagens sobre Drummond no blog
Maneiras de Amar (conto simplesmente excepcional)
Casamento por Cinco Anos (outro conto muito bom, bem divertido e bem irônico)
A Beleza Total (conto bem profundo)
Ao amor antigo (poema perfeito sobre o amor, muito bom)

3 Comentários:

Alice Vianna

Oi, Leonardo! Parabéns pelo seu site, achei maravilhoso!!
Aproveitando que gosta de compartilhar conteúdo de qualidade, quero te indicar o site Educar Para Crescer. Lá há um espaço dedicado ao Shakespeare (http://educarparacrescer.abril.com.br/shakespeare/), onde é possível aprender a escrever sonetos e também ler as resenhas das peças mais conhecidas!
Tudo de bom! Boas palavras para você, sempre!
Um abraço,
Alice.

Otavio Ranzani

Grande Leonardo! parabéns pelo blog, textos e atitudes! O Drummond tá sempre na cabeceira... aqui ele dorme com dois manuéis (bandeira e barros) e vive rodeado dos pessoas! Forte abraço, Otavio

Leonardo Schabbach

Legal que gostaram da postagem. E sim, Drummond é simplesmente fantástico. Vale ler e reler, e reler, e reler... sempre.

Postar um comentário

Participe você também. Sinta-se convidado a postar as suas opiniões. Com a sua ajuda, o blog se tornará ainda melhor!

 
Copyright© 2010 Na Ponta dos Lápis
Apoio: Literatura Fantástica
Tema original "Solitude" Modificado por Mundo Blogger