Quer meu livro de graça? Assine minha newsletter e venha conversar comigo!

Além disso, a newsletter é para ser algo mais pessoal, nela vocês podem responder e conversar diretamente comigo. E eu ainda pretendo enviar uma série de textos exclusivos por lá, sendo alguns mais pessoais, alguns capítulos antecipados de livros que serão lançados, assim como alguns e-books gratuitos.

Leia Mais

4

Descaso

em 14 de mar de 2012.

Após algum tempinho, coloco poema novo por aqui. E o coloco juntamente com um áudio dele declamado por mim. Até por ter versos um pouco mais livres, acho legal o pessoal ouvir o ritmo; eu particularmente gosto muito de fazer poesia que fiquem bonitas quando declamadas.

Enfim, eu gostei bastante do resultado, espero que vocês gostem também. Amanhã haverá postagem nova no blog também. Ou colocarei uma resenha ou mais um pedaço da série Crônicas do Jardim do Impossível, que está ficando bem legal!



Descaso 

Estou cansado deste mundo de excessos.

Há tanta fome,
tanta política,
tanta hipocrisia.

O que nos vale hoje
muda
e já não é mais verdade.
E muda assim mesmo,
dá noite para o dia.

Não sabemos o que fazer
e nem o que devemos fazer.
E procuramos nos outros por alguma virtude.

Mas, às vezes, no mundo, não há quem ajude,
mesmo entre aqueles que querem ajudar.

Porque tudo hoje nos impede,
nos cerca,
limita as ações corretas,
ensinando que o certo é não se preocupar.

O mundo hoje é rígido,
é povoado por metas,
onde o sobreviver
vem em primeiro lugar.

4 Comentários:

Marcos Reis

Este é daqueles poemas que devem ser lidos em voz alta, não só pelo ritmo, mas pelo seu conteúdo também. Um poema maduro, social e que chama à ação pública. Na mesma pegada do livro "A rosa do povo" do Drummond.
Não só um poema, mas um hino sobre o viver em nossos tempos.

Isie Fernandes

Oi, Leo.

Gostei muito do poema e, clicando no áudio, terminei ouvindo os dois anteriores também. Há uma ligação entre a audiopostagem "Processo de criação de um conto" com o poema. Tenho pensado nisso tudo por esse tempo. Afinal de contas, o caminho rumo à liberdade, de acordo com a cultura da nossa sociedade, são as grades invisíveis de uma detenção de máxima segurança social. Por que não podemos fazer diferente? E por que o diferente é considerado anormal? E o anormal será mesmo diferente? De que ângulo analisamos isso?

Como você disse no poema "O mundo hoje é rígido, é povoado por metas, onde o sobreviver vem em primeiro lugar.".

Tiago do Valle

Muito, muito bom! Sua linguagem poética impressiona, pois é sofisticada, mas simples. Expressa muito e expressa bem.

Leonardo Schabbach

Valeu, cara. Fico muito feliz que tenha curtido o que eu escrevo! Continue acompanhando =)

Postar um comentário

Participe você também. Sinta-se convidado a postar as suas opiniões. Com a sua ajuda, o blog se tornará ainda melhor!

 
Copyright© 2010 Na Ponta dos Lápis
Apoio: Literatura Fantástica
Tema original "Solitude" Modificado por Mundo Blogger