Quer meu livro de graça? Assine minha newsletter e venha conversar comigo!

Além disso, a newsletter é para ser algo mais pessoal, nela vocês podem responder e conversar diretamente comigo. E eu ainda pretendo enviar uma série de textos exclusivos por lá, sendo alguns mais pessoais, alguns capítulos antecipados de livros que serão lançados, assim como alguns e-books gratuitos.

Leia Mais

1

Viajantes

em 5 de jun de 2012.

Estou de volta. Fiquei um tempo razoável sem atualizar o blog por uma série de questões que prefiro não ficar comentando, mas tudo está mais calmo agora e voltaremos aos posts com frequência. Hoje trago um poema, que considerei bem legal, feito há uma ou duas semanas. Amanhã, devo postar um artigo ou crônica por aqui. A partir de agora teremos artigos ou crônicas todas as segundas e quintas (amanhã será uma exceção por causa do feriado). Espero que curtam poema! Deixem seus comentários =P






Viajantes

O coração do ser humano voa.
Pertence às coisas,
Pertence ao mundo,
Pertence a todos e a tudo.

Pois um coração só se torna verdadeiramente livre,
Se a ele for permitido conhecer
E criar raízes.
Um coração deve explorar todas as diretrizes
Dos mais diversos lugares
E das mais diversas situações.

E é na experiência que ele inevitavelmente cresce,
É somente na vida que o coração amadurece
E aprende a bater, a fluir.. a amar.

Ele bombeia sonhos
E alimenta fantasias,
Ele semeia,
compreende e cria,
o que só um viajante é capaz de criar.

E a humanidade só cresce na presença do outro,
Na capacidade de ouvir,
De aprender e de olhar.

Mas essa humanidade perece,
Quando o homem, já louco,
Já não sabe viver
E já não pode sonhar.

1 Comentários:

Isie Fernandes

Que forte esse poema! E muito linda a construção.

Escrevi um comentário, depois parei para refletir um pouco mais.

"E a humanidade só cresce na presença do outro"...

O problema é que muitos enlouquecem de uma hora para outra. Por sorte, nós temos a opção de decidir sofrer o dano, dar a outra face, tentar, e tentar, e tentar quantas vezes forem necessárias. Porque as maiores mudanças partem de nós, e não do outro.

Saindo dessa visão romântica - várias interpretações rondaram minha mente -, sempre enxergo o coração como o espírito humano, e ele realmente precisa estar livre para pulsar na direção dos seus sonhos. Parece mesmo que a sociedade, num todo, está louca e perece. Contudo, toda regra tem suas exceções e nós ainda podemos tentar transgredir.

Postar um comentário

Participe você também. Sinta-se convidado a postar as suas opiniões. Com a sua ajuda, o blog se tornará ainda melhor!

 
Copyright© 2010 Na Ponta dos Lápis
Apoio: Literatura Fantástica
Tema original "Solitude" Modificado por Mundo Blogger