As Aventuras de Pi é plágio da obra de Moacyr Scliar. Divulguem!

Antes de entrar exatamente no que quero falar, deixe-me explicar a situação para quem ainda não a conhece. As Aventuras de Pi, livro mais do que premiado, que gerou a adaptação para o cinema, adaptação essa que faturou quatro estatuetas do Oscar ontem, trata-se de um plágio descarado da obra Max e os felinos, do autor brasileiro Moacyr Scliar.

Leia Mais

4

Uma visão sobre Cecília Meireles

em 25/08/2009.

Como prometido, faço hoje uma postagem mais ampla sobre Cecília Meireles. Não pretendo me prender muito a dados biográficos, até porque o melhor resumo sobre a vida da escritora pode ser encontrado no projeto releituras. Falarei, portanto, de algumas características da obra da autora que me chamam a atenção e também da minha visão sobre a importância dela para a literatura nacional.

Já disse anteriormente que Cecília Meirelles é, sem sombra de dúvida, única. Dentro de uma fase em que o modernismo se voltava para as lutas políticas, para uma produção que tinha como objetivo "educar" e conscientizar, ela apresentou um estilo de poesia diferente - com algumas características simbolistas, como o uso constante de sinestesias - que se voltava mais para o interior do ser humano, tinha um clima mais sincero e intimista, naturalmente instrospectivo. Seus poemas têm um cuidado muito grande com a musicalidade e são envoltos em um universo muitas vezes de sonho, de fantasia, às vezes de solidão (como vocês podem notar no poema "Canção", já postado aqui).

Por todas essas características, suas produções costumam ser muito belas e, ao meu ver, extremamente agradáveis de se ler. E, embora muitos possam criticá-la por não seguir a tendência "educativa" de grande parte dos poetas de sua época, não há como a acusá-la de alienada. O poema "Mulher ao Espelho" deixa isto claro, quando, através da introspecção, faz uma crítica às pressões sociais em relação à imagem colocada em cima dos indivíduos no mundo capitalista e à falsidade.

Cecília Meireles, portanto, foi a grande responsável por consagrar e também popularizar uma literatura intimista e introspectiva que, no futuro, iria se tornar uma marca da literatura feminina, representada também por Clarice Lispector (veja entrevistas da Clarice Lispector aqui).

Ainda é interessante lembrar que os poemas de Cecília são também muito marcados pela presença do tempo, ou melhor, pela passagem dele. Ela tem a clara visão de que tudo é transitório e de que o fim está sempre no horizonte; característica que se evidencia no poema "Retrato".

Uma última coisa que acho legal comentar, e que muitos já devem ter observado, é a similaridade de estilos entre ela e Fernando Pessoa. Já postei algumas coisas sobre o poeta português aqui no blog (confira aqui) e sempre destaco a musicalidade em suas poesias, além da beleza dos versos, exatamente como acontece com Cecília. Inclusive, arrisco-me a dizer que Fernando Pessoa só não é o meu poeta favorito porque não leio a sua obra com a frequência que deveria.

Rapidinha - Aconselho a quem gosta dos poemas da autora o livro "Os melhores poemas de Cecília Meireles".




Gostou do blog? Gostou dos textos? - o autor Leonardo Schabbach, que produz o conteúdo do Na Ponta dos Lápis lançou recentemente sua primeira obra literária, O Código dos Cavaleiros. Ajude-o a continuar produzindo! Informações sobre a obra (como comprar - autografada -, capítulos para degustação, capa, sinopse e muito mais) podem ser encontradas neste super hotsite (clique para acessar).

4 Comentários:

Karina

Boa análise da escritora Cecília Meireles. Sintética e informativa. Nosso último post traz uma crônica bem intimista de Cecília. Quando puder confira(literaturaemcontagotas). Abs. Karina

Marcos Paulo

Confesso que conheço muito pouco sobre a obra de Cecilia Meireles, até porque, a personalidade da Clarice Lispector e sua forma de escrever, cativa mais a minha atenção.
Porém, ao ler este artigo, o que me encantou e aguçou a minha curiosidade a respeito da Cecília foi a musicalidade e introspecção, características extremamente femininas, e talvez seja essa busca pela feminilidade - em uma época que as mulheres ainda estavam a construir o seu papel social - o tom "educativo" e discretamente engajado na poesia dela. Uma forma de crítica tão discreta e intimista, que os poetas da época não conseguiram enxergar.
Abraços Leonardo!

Anônimo

Nossa gostei bastante no que vc explicou pq eu precisava das caracteristicas presentes na poesia de Cacilia Meirelis para uma trabalhos e n tinha achado ainda ae eu encontreii esse ajudou muito. Obrigada!

Postar um comentário

Participe você também. Sinta-se convidado a postar as suas opiniões. Com a sua ajuda, o blog se tornará ainda melhor!

 
Copyright© 2010 Na Ponta dos Lápis
Apoio: Literatura Fantástica
Tema original "Solitude" Modificado por Mundo Blogger