Quer meu livro de graça? Assine minha newsletter e venha conversar comigo!

Além disso, a newsletter é para ser algo mais pessoal, nela vocês podem responder e conversar diretamente comigo. E eu ainda pretendo enviar uma série de textos exclusivos por lá, sendo alguns mais pessoais, alguns capítulos antecipados de livros que serão lançados, assim como alguns e-books gratuitos.

Leia Mais

2

Ficção Científica e o filme Fim dos Tempos

em 3 de nov de 2009.

Hoje pretendia continuar com as postagens a respeito de Fernando Pessoa em que trato das características de suas obras e também de seus heterônimos, ver "Poemas - Fernando Pessoa (Parte I)", mas mudei de idéia: resolvi falar sobre ficção científica e também sobre o filme Fim dos Tempos.

Alguns meses atrás, conversava com um amigo que estava escrevendo sua dissertação justamente sobre ficção científica. Eu falava de uma produção ficcional que se desprendia do real e não precisava mais se justificar, o que poderia decretar o fim do gênero. Ele, entretanto, argumentou que não era apenas através desta característica que se estabelecia o que pode ser ou não classificado como ficção científica. O principal aspecto, segundo ele, seria pensar a tecnologia e também as informações e descobertas científicas e o impacto que elas poderiam ter na sociedade. Isso é justamente o que acontece em Fim dos Tempos.

Recentemente, li uma matéria que falava de um fenômeno que teve seu início em 2006 em que as abelhas começaram a simplesmente abandonar suas colméias e desaparecer, ninguém sabe ainda ao certo dizer para onde elas vão. Hoje, esse fenômeno já se tornou até mesmo preocupante. Nos Estados Unidos, por exemplo, que é o lugar onde o problema está mais acentuado, 50 bilhões de abelhas já sumiram, esvaziando 40% das colméias do país. Surreal, não? Pois é, foi neste momento que notei que Fim dos tempos realmente tratava-se de uma tentativa, através de um filme de suspense, de dar um explicação para este estranho fenômeno.

No filme (e parem aqui caso ainda queiram ver), a história começa com uma estranha série de acontecimentos em que as pessoas simplesmente começam a se matar nas grandes cidades. Inicialmente, não há explicação para o sucedido, mas o próprio filme indica, bem de leve, a questão das abelhas estarem desaparecendo (há uma referência se não me falha a memória sobre a questão numa matéria de jornal no início do filme ou algo assim). Mais para frente, o personagem de Mark Wahlberg, um cientista que, pego no meio do estranho fenômeno, procura compreendê-lo, descobre que as plantas, como um mecanismo de defesa frente à evolução das cidades que as ameaça, começam a produzir uma substância que afeta o cérebro dos animais (e humanos) a sua volta e os faz cometer suicídio. O filme, através disso, acaba fazendo um alerta para a destruição do meio ambiente e etc... mas, como percebo agora, também faz uma especulação sobre esse fenômeno do sumiço das abelhas, pois aparentemente é dele que parte a idéia de todo o filme.

A questão das abelhas hoje foi explicada. Segundo a entomóloga May Berenbaum, da Universidade de Illinois (citação retirada da revista "Superinteressante"), "é uma infecção por vírus, que danifica o código genético dos insetos". O vírus, que ainda não foi isolado, causa modificações em 65 genes dos insetos - e isso é que estaria provocando o comportamento bizarro das abelhas.

Diante desta informação, fiquei bem intrigado, afinal, a explicação do filme não passa tão longe da realidade. Se é um vírus que causa essa modificação no comportamento das abelhas, não podemos, realmente, descartar a possibilidade de que ele possa contaminar também seres humanos, mesmo que precise sofrer algumas mutações para tal; afinal, ocorrer mutações em vírus é algo mais do que natural.

Frente a essas informações me pergunto: quem sabe a investigação científica ficcional não tenha, mais uma vez, nos dado uma indicação sobre o futuro? Achei a questão bem curiosa e interessante; imaginei que o pessoal que acompanha o blog poderia gostar dela. Acho que é um assunto que faz você pensar, não é? Pelo menos me colocou aqui em um estado de reflexão.

2 Comentários:

PH Pereira

Não vi esse filme não, mas achei bem maneiras as coisas que você falou, vou ver se alugo.

Abraço.

Anônimo

vi o filme e achei interessante,faz sentido a comparação com o desaparecimento das abelhas.Acredito que de uma foma ou outra,a natureza começará ou já começou a cobrar a falta de sua conservação.Um abraço!!!!

Postar um comentário

Participe você também. Sinta-se convidado a postar as suas opiniões. Com a sua ajuda, o blog se tornará ainda melhor!

 
Copyright© 2010 Na Ponta dos Lápis
Apoio: Literatura Fantástica
Tema original "Solitude" Modificado por Mundo Blogger