Quer meu livro de graça? Assine minha newsletter e venha conversar comigo!

Além disso, a newsletter é para ser algo mais pessoal, nela vocês podem responder e conversar diretamente comigo. E eu ainda pretendo enviar uma série de textos exclusivos por lá, sendo alguns mais pessoais, alguns capítulos antecipados de livros que serão lançados, assim como alguns e-books gratuitos.

Leia Mais

4

Poema: A Chuva (com áudio e mais alguns versos)

em 10 de mai de 2010.

Quem acompanhou a minha postagem Considerações sobre o fazer poético sabe que já há algum tempo eu não consigo escrever um poema (tinha alguns semi-prontos, mas que não finalizava). Nesse final de semana, consegui descansar um pouco e acabei escrevendo um, do zero. Talvez não seja um dos meus melhores, não acho que tenha ficado sensacional, mas ainda assim gostei do resultado, gostei da sonoridade e das imagens poéticas. Enfim, vamos ver o que vocês acham. Além disso, aproveitei para colocar um áudio dele declamado, para mostrar como imaginei a leitura. Também disponibilizei um trecho de um poema muito velho, um antigo projeto em que faria pequenos "aforismos poéticos" sobre várias sensações. Nunca levei o projeto adiante, mas cheguei a fazer o primeiro trecho falando da chuva. Como o poema de hoje é sobre este assunto, achei que cabia colocá-lo aqui, só por colocar mesmo. Espero que gostem! (editado: houve um problema com a gravação, em breve, colocarei-a disponível novamente)


A Chuva

Adoro o barulho da chuva,
é silencioso;
traz poesia.
E a gota de chuva fria
reascende memórias
e reconstrói o passado.

A chuva é um poema disfarçado,
o mistério da vida,
que renova o ciclo.

A chuva traz de volta os vícios,
bons e ruins
e também a saudade.

A chuva é naturalidade,
do pensamento,
num instante,
de água cristalina
ou barrosa,
mas água de verdade,

viva
e poderosa...

Como é grandiosa a presença da chuva!



Agora, segue o trecho do meu outro projeto de poema (era para ser uma obra grande e tudo mais, talvez um dia eu continue)


Sensações

[1]

A chuva,
como é bonita.
Caindo sobre a cidade,
como uma cortina,
simples e vertical.

Algum tempo depois, ela some
e deixa as memórias assentarem-se,
como sombras escondendo-se da luz.

4 Comentários:

Meire Ribeiro

Alguns acham que chuva eh somente chuva, ja pra outros, a chuva se torna poema, assim como voce descreveu: "A chuva é um poema disfarçado".
Eu gostei muito. Parabens!

Julia Guará

quando caiu a chuva ontem (ontem?) eu senti que aquela chuva era uma poesia, mas não me preocupei em escrever nada. Acho q acertei se era vc q estaria escrevendo as palavras lindas e necessarias.

Leonardo Schabbach

Valeu Meire. Eu volta e meia acho isso, vejo a chuva como algo diferente. Inclusive, Julia, eu tive a mesma sensação que você teve sobre os últimos dias chuvosos, por isso o poema saiu, assim, do nada. E obrigado pelo elogio, claro!

Elaine da paz

Amei... Parabéns
Eu amo a chuva...
Adoro o barulho da chuva,
é silencioso;
traz poesia.
E a gota de chuva fria
reascende memórias
e reconstrói o passado.

Postar um comentário

Participe você também. Sinta-se convidado a postar as suas opiniões. Com a sua ajuda, o blog se tornará ainda melhor!

 
Copyright© 2010 Na Ponta dos Lápis
Apoio: Literatura Fantástica
Tema original "Solitude" Modificado por Mundo Blogger