Quer meu livro de graça? Assine minha newsletter e venha conversar comigo!

Além disso, a newsletter é para ser algo mais pessoal, nela vocês podem responder e conversar diretamente comigo. E eu ainda pretendo enviar uma série de textos exclusivos por lá, sendo alguns mais pessoais, alguns capítulos antecipados de livros que serão lançados, assim como alguns e-books gratuitos.

Leia Mais

6

Poemas dos leitores e resultado do sorteio e do mini-concurso Drummond

em 13 de jun de 2010.

Recebi uma boa quantidade de textos de diversos poetas nos últimos dias para o Mini-concurso Drummond. De tudo que recebi, escolhi três autores e quatro poemas para dividir com vocês, não foi lá tão fácil. Também aproveito a postagem para comunicar quem ganhou o sorteio do livro "Quando é dia de futebol", de Carlos Drummond de Andrade. E a vencedora foi a Lídia Michelle (@michellelidia) - vejam aqui o link para o resultado do sorteio: http://sorteie.me/rRG. Já o poeta que selecionei como vencedor do mini-concurso foi o Ricardo Ventura; portanto, entrarei em contato com ele para que ele escolha que título dentre as obras de Drummond publicadas pela Editora Record (@Editora_Record) ele irá selecionar. Leiam os poemas abaixo, desfrutem e, se puderem, deixem seus comentários para os autores. Eles certamente irão gostar!

Editado: acrescentei um poeminha da @anamello que também tinha achado bem interessante, mas que tinha esquecido de colocar no ar.


Poemas de Richardson Ventura (@rventura) - professor de Português e Literatura em Belo Horizonte.

verso e vida

verso e vida
se misturaram todos
numa dada avenida
e se acharam tolos
rua e rima
ao perceberem no rosto
a forma, o cheiro, o gosto
da mesma argila.


ausência

a presença tua na roupa suja
o resquício, a lacuna
de que aqui passaste.

mas que fazer se lá fora chama a luta
a ferida arde?

te perco sem alarde
na certeza de que amor é ida
vida é combate.


Poema de Evandro Constâncio - Jornalista, escritor e poeta. Vive nos Estados Unidos desde 1998. Foi repórter e editor no jornal Hoje em Dia (Belo Horizonte, MG), repórter do jornal O Tempo (Betin, MG), colaborador de "O Globo", "Folha de São Paulo" e "Veja".

Partido de Mim

Tive vergonha de ter chorado,
vergonha de ter torcido, e comemorado.
Tive vergonha de ter sorrido.
A esperança venceu o medo,
mas continuou o seu caminho, de esperança.
Gerações começaram,
gerações acabaram,
e sempre houve a esperança.
Mas até quando?
Até quando ela vai poder persistir?
Até quando vamos chorar,
quando nos prometeram sorrir?
Até quando?
Vamos ter uma refeição,
ao invés de três; ou nenhuma?
Até quando?
Vamos ser enganados,
torturados,
matados a faca, de bala perdida, executados,
sequestrados ou torturados?
Até quando?
Vamos morrer de fome ou pendurados,
no prego da salvação na mercearia da esquina?
A esperança venceu o medo,
Mas continua o seu caminho, de esperança.


Poema de Márcia Luz - Confiram o blog da autora.

As mensagens que lhe escrevo

Hoje, à falta de papel,
escrevo mensagens no celular.
Na hora de lhe enviar, deleto-as.
Você lerá apenas a minha ausência
e imaginará:
“Esqueceu-se ela de mim?”


Poema de Ana Mello


POETRIX: Lobisomem
noite escura, infortúnio,
as nuvens encobrem
o plenilúnio

6 Comentários:

Marcos Reis

Muito legal os três poemas. Díficil escolher o melhor entre eles, pq quando o assunto envolve a exteriorização de algo subjetivo e que faz parte do mundo interno de determinado criador através de uma forma de arte, não há como mensurar o melhor, o que rola de fazer, é escolher aquele que há mais identificação de acordo como o nosso momento atual. Digo isto, pq na verdade curti os três poemas + me tocou mesmo o da Márcia Luz. Achei muito legal o paralelo falta de papel/msg no celular.

Anônimo

Bem legais os poemas e muito boa a iniciativa!

Ass.José Maurício

r. ventura

Bacana, léo! fiquei feliz de ter participado e ganhado o livro. Continue incentivando e divulgando a poesia, precisamos disso. um abraço
R. Ventura
em tempo: o livro do Drummond que escolho é Farewell, que ainda não tenho!

Lídia Michelle

Oi, Leo. Seu blog está cada vez melhor, pena que não tenho conseguido ler com mais frequencia. Gostei muito dos poemas, quando você fizer um de contos eu vou falar para um amigo meu, que está escrevendo o terceiro livro e escreve contos muito bem.
Ah, e gostei de ter ganhado o livro também, hehehehe... :)

Beijos...

Márcia Luz

Oi, Léo

Achei que você nem ia colocar o meu poema aqui. Fiquei muito feliz!

Que divino o primeiro poema do Richardson! Uma ponte tão fluida entre a abstração da poesia e a concretude do cotidiano!

A iniciativa da Semana da Poesia realmente valeu muito e imagino como foi difícil pra você selecionar os poemas, pois a gente tem tendência a gostar de tudo.

Um grande abraço.

Postar um comentário

Participe você também. Sinta-se convidado a postar as suas opiniões. Com a sua ajuda, o blog se tornará ainda melhor!

 
Copyright© 2010 Na Ponta dos Lápis
Apoio: Literatura Fantástica
Tema original "Solitude" Modificado por Mundo Blogger