Quer meu livro de graça? Assine minha newsletter e venha conversar comigo!

Além disso, a newsletter é para ser algo mais pessoal, nela vocês podem responder e conversar diretamente comigo. E eu ainda pretendo enviar uma série de textos exclusivos por lá, sendo alguns mais pessoais, alguns capítulos antecipados de livros que serão lançados, assim como alguns e-books gratuitos.

Leia Mais

4

[Resenha] Um homem: Klaus Klump, por Gonçalo M. Tavares

em 20 de abr de 2011.

Hoje escrevo sobre o livro Um homem: Klaus Klump, de Gonçalo M. Tavares. A obra faz parte da coleção O Reino, que inclui também o livro Jerusalém, que recebeu o prêmio Portugal Telecom de Literatura, em 2007. Quem acompanha o blog sabe que sou muito fã do escritor português, por isso indico a todos a postagem Gonçalo M. Tavares: um autor a ser lido. E para quem ainda tiver mais curiosidade sobre as capacidades narrativas do autor, há também um trecho do livro "Jerusalém" no artigo técnicas de narrativa.

Decidi falar sobre este livro, pois, dos romances do autor, este é o que mais me agrada, exatamente por ser muito diferente das obras que costumamos ler. Segue um estilo fragmentado, em que se passa de um personagem para o outro entre os capítulo e mesmo entre os parágrafos do texto, similar ao de Jerusalém; entretanto, em Um homem: Klaus Klump, a fragmentação é ainda maior. É preciso até prestar um pouco de atenção para comprender onde o texto nos leva, mas são justamente essas mudanças que, apesar do tom fragmentado, acabam gerando um efeito muito interessante, que provoca reflexão. O livro, de uma maneira geral, tem um trabalho muito rico com a linguagem, sempre apresentando a capacidade narrativa característica do Gonçalo, que descreve todas as coisas de uma maneira muito diferente, irônica e perspicaz. Além disso, o texto sempre apresenta reflexões, sempre nos passa questionamentos filosóficos novos e interessantes. Sem sombra de dúvidas, quem ler Um homem: Klaus Klump, repensará muitas de suas noções de mundo e refletirá um pouco mais sobre o ser humano.

Este livro, assim como Jerusalém, difere muito da tônica presente em outra coleção muito boa do autor, chamada O Bairro. Enquanto em O Bairro vemos um Gonçalo mais lúdico, que traz a reflexão por meio de histórias mais irônicas e leves, quase brincadeiras, na coleção O Reino ele busca investigar o ser humano, expô-lo de maneira nua e crua, mesmo que isso gere textos mais pesados. É exatamente isso que está presente em Um homem: Klaus Klump. A história se passa em um país invadido pela guerra. Klaus é um homem que optava por se manter afastado de todos os conflitos, um covarde. Porém, ao longo do livro, tudo muda, e nosso personagem principal se torna um inimigo dos invasores; torna-se mais forte, pois só assim pode lutar contra a força de outros povos. Como é dito na contra-capa do livro: "Um homem: Klaus Klump é um livro sobre muitas coisas, mas essencialmente sobre a força. A força dos fortes e a força dos fracos que se tornam fortes".

Mas não pensem que se trata de uma história heróica de um personagem que se opõe a uma invasão. O livro trata de pessoas, de seres humanos, e Klaus se torna um homem um tanto quanto obscuro também. De uma maneira geral, a ação se passa de uma maneira até muito rápida no livro. As coisas acontecem, mas sem tanta relevância, é tudo muito rápido. O foco é justamente na mudança de cada um dos personagens, nas reflexões sobres os terrores da guerra, sobre as reações dos seres humanos em uma situação limite como esta. Enfim, é um livro sobre a humanidade, o que ela tem de bom e o que tem de muito ruim. Como disse, quem ler certamente repensará muitos conceitos.

Faço uma última ressalva, porém. A narrativa é bem particular, bem fragmentada mesmo. Eu particularmente acho isso espetacular, e acho a forma de o Gonçalo conduzir seu texto fantástica. Mas devo admitir que muita gente pode não se habituar a ela.

Abaixo, segue um trecho do livro que acho simplesmente incrível. Veja como é descrito o simples ato de o personagem estar com a mão no bolso:

"As mãos no bolso de Klaus. Como era estranho seu gesto de esconder as mãos nos bolsos. As mãos e os olhos eram o fundamento da guerra: sem mãos é impossível odiar, odeias pela ponta dos dedos, como se estes fossem o canal habitual e único de uma certa substância química má. As mãos nos bolsos são um processo de educar o ódio, processo lento quando comparado com aquele bem mais forte que é a ambutação dos braços. Mas só com as mãos nos bolsos os homens já acalmam.

"Com as mãos nos bolsos um homem percebe que não é Deus. Não se chega às coisas. Se tocares no mundo com a cabeça obterás desse toque sentimentos secundários; afastados de uma intensidade mínima a que a existência das mãos te habituou. As mãos tornam-te intenso. O obsceno - isso mesmo -, o obsceno que é o homem na guerra, mesmo que numa pausa, põe provocadoramente as mãos nos bolsos. Assumir que não se é Deus em momento de guerra é acto corajoso, e  por estranho que pareça, o único divino. Só os cobardes fingem que são Deus.

"Mas por momentos a vida de Klaus perde os seus órgãos inteligentes, os órgãos máximos do raciocínio que são as mãos. Órgãos especializados nesse instinto primário que é sobreviver: instinto primário e também instinto último a largar um corpo. Com as mãos nos bolsos Klaus não pode deixar de parecer um imbecil, um homem que não pensa".

(e o texto segue, por mais um tempo, nessa reflexão em relação às mãos, falando do combate corpo-a-corpo e outras coisas; é uma passagem realmente magnífica, e apenas ela já valeria a leitura do livro, na minha opinião)

Enfim, fica a dica de leitura. Tenho certeza de que muita gente aqui irá gostar. Mas também, como sempre digo, se forem começar a ler textos do Gonçalo, iniciem pelo livro O Senhor Brecht, da coleção o Bairro. A partir dele, já ficará clara a maneira singular que tem o escritor de conduzir sua narrativa. Além disso, é um livro pequeno, que pode ser lido em cerca de uma hora.

4 Comentários:

Fábio C. Martins

Leonardo, foi pela matéria sobre Gonçalo M. Tavares que acabei comprando Jerusalém.
Eu já era fã de Saramago, mas com a sua morte fiquei "órfão" de escritores portugueses. Porém, depois que li o livro de Gonçalo, posso dizer que tenho outro escritor português pra acompanhar!

Valeu a dica, tanto esta quanto a da matéria sobre o Autor. Obrigado
Forte Abraço

marcos nunes

Vejo nos livros de Gonçalo a expressão dos personagens como ideia; não como meras representações das ideias, mas corpos-ideias-mesmo - não há espaço para subjetividades nesses personagens que não sejam nada além do deslocamento das ideias que são. Assim, trata-se de literatura que não possui associação possível com o "realismo" literário, mas com a construção do espaço literário como lugar-mesmo em que as palavras compõe um mundo que, não sendo à parte do realmente-existente, existe não como mímese do último, mas como sobreposição e comentário distante dele, sendo, paradoxalmente, uma forma de aproximação, brutalmente intelectualizada, ao realmente-existente. Se examina a questão da potência como expressão do humano e vendo resultados aleatoriamente destrutivos na realização da potência, Gonçalo penetra de forma obcecada, obsessiva, na questão da extinção, no ser-para-a-morte que, em sua negação, afirma a vida como potência, porém dedicada à destruição das outridades, potências mais fracas, quando vencidas, potências mais fortes, quando aliadas, potências invencíveis, quando a elas um homem, por exemplo, Klaus Klump, sucumbe, e assim as espelha. Um livro bastante perturbador, né?

R.A.M.P.

Olá!

Hoje eu queria compartilhar com vocês o trailer do livro “INUTAOSHI – A Presa do Lobo” que está disponível no youtube : http://www.youtube.com/my_videos?feature=mhum .

O livro acabou de ser lançado, trata-se de um romance sobre a sociedade medieval japonesa. A capa, o capítulo 1 e a venda estão disponíveis somente no site: http://www.clubedeautores.com.br/book/42848--INUTAOSHI . O mesmo pode ser comprado impresso ou no formato digital Ebook (para leitura digital). Esse livro foi um dos finalistas do Prêmio SESC de Literatura 2009.

“O Destino é Inexorável”.

Atenciosamente
Robson André

Postar um comentário

Participe você também. Sinta-se convidado a postar as suas opiniões. Com a sua ajuda, o blog se tornará ainda melhor!

 
Copyright© 2010 Na Ponta dos Lápis
Apoio: Literatura Fantástica
Tema original "Solitude" Modificado por Mundo Blogger